Chico Whitaker
   
 
Estantes
Chico Whitaker?
O que são estas estantes?
Combate à corrupção
Direitos Humanos
Educação, mobilização e organização popular
Fórum Social Mundial
Iniciativas politicas
Jornadas Internacionais - Superando as Dominações
Livros e artigos
Na Camara Municipal de São Paulo
Na Igreja
No Partido dos Trabalhadores
Novos movimentos sociais (indignados, occupy)
Participação popular
pequenas reflexões
Planejamento
Por um Brasil livre de usinas nucleares
Redes
Reforma Política
Vídeos
X - Artigos citados em meus textos
 
Por um Brasil livre de usinas nucleares
 
Chico Whitaker: Energia para que, para quem e como?
2014-07-16


Folha de S.Paulo







Chico Whitaker: Energia para que, para quem e como?











16/07/2014   02h00

Algo inusitado está para ocorrer em Brasília: um fórum social temático inserido no processo do Fórum Social Mundial, que aponta que outro mundo é possível.



Durante quatro dias, de 7 a 10 de agosto, a Universidade de Brasília acolherá encontros dos mais diversos sobre a questão da energia. Autônomo em relação a governos e partidos e organizado pela sociedade civil, o evento será constituído de baixo para cima: as atividades serão preparadas pelos movimentos sociais que questionam a matriz energética brasileira.


O tema é oportuno e urgente, sobretudo frente à insanidade de muito do que se faz em nosso país para se obter energia. Ao mesmo tempo em que o governo aumenta nossas contas de eletricidade, também constrói grandes barragens –"as maiores do mundo"–, que inundam extensos territórios da Amazônia e destroem sua biodiversidade, além de expulsar ribeirinhos, pescadores e indígenas de suas moradas. O governo investe em usinas movidas à carvão e petróleo, que contribuem para o efeito estufa e o consequente aquecimento global. Ameaça construir mais usinas nucleares, com seus riscos de acidentes e seu lixo radioativo legado às futuras gerações e destina grandes extensões de terra –que deixam de servir à lavoura de alimentos– para produzir etanol para carros paralisados nos congestionamentos de nossas cidades.


Mesmo quando o governo e o setor privado querem inovar, é ruim o modo como as coisas são feitas. Empresas implantam parques eólicos que desrespeitam impunemente os direitos daqueles que seus tratores encontram pela frente. Quando finalizam as construções, não raro deixam suas hélices girando sem que a eletricidade produzida seja conectada em algum sistema de distribuição. E há o pré-sal, apresentado como bem-vinda fonte de recursos, que contribuirá significativamente para a continuidade do modelo já condenado de queima de combustível fóssil. Por fim, desperdiça-se dinheiro em grandes obras destinadas ao atendimento prioritário das necessidades energéticas de empresas nacionais e internacionais de mineração.


Enquanto isso, no resto do mundo, já se busca uma transição para matrizes de produção descentralizadas de energia e o pleno uso de fontes renováveis como o sol, o vento e as marés. E ganha cada vez mais espaço a preocupação com a eficiência energética, que diminui o desperdício.


Está na hora de a sociedade civil mostrar aos tecnocratas do governo e às empresas que cometem cada vez mais crimes ambientais e sociais que é preciso questionar seriamente: energia para que, para quem e como?


O momento é mais do que oportuno: no intervalo entre o fim da Copa do Mundo e o início oficial da campanha eleitoral. Os candidatos precisam se posicionar em relação ao tema e abrir um processo responsável de discussão.


Mais de 30 entidades e movimentos sociais promovem esse grande encontro. No site do Fórum Social Temático - Energia, é possível obter informações e inscrever atividades. No encerramento do encontro, os participantes poderão comunicar à população de Brasília os resultados dos debates e realizar uma feira com as muitas iniciativas de produção descentralizada de energia que acontecem no Brasil. Um domingo que será marcado pela esperança de que entremos, pelo impulso da sociedade civil, em uma nova etapa no enfrentamento da questão energética em nosso país.


CHICO WHITAKER, 83, é membro da Comissão Brasileira Justiça e Paz e da Coalizão por um Brasil Livre de Usinas Nucleares


*


PARTICIPAÇÃO


Para colaborar, basta enviar e-mail para debates@uol.com.br.


Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.