Chico Whitaker
   
 
Estantes
Chico Whitaker?
O que são estas estantes?
Combate à corrupção
Direitos Humanos
Educação, mobilização e organização popular
Fórum Social Mundial
Iniciativas politicas
Jornadas Internacionais - Superando as Dominações
Livros e artigos
Na Camara Municipal de São Paulo
Na Igreja
No Partido dos Trabalhadores
Novos movimentos sociais (indignados, occupy)
Participação popular
pequenas reflexões
Planejamento
Por um Brasil livre de usinas nucleares
Redes
Reforma Política
Vídeos
X - Artigos citados em meus textos
 
Chico Whitaker?
 
Lançada a anti-Lista Forbes
2012-05-04

Ao invés de eleger os “cem mais ricos do mundo”, grupo internacional sugere apontar quem contribui para futuro sustentável do planeta. Há três brasileiros na lista: Paulo Freire em 39º lugar, Chico Whitaker, fundador do Fórum Social Mundial, em 62º, e Chico Mendes em 97º lugar.


Por Flávia Pardini

 
 

Lançada a anti-Lista Forbes


4 mai 2012


http://www.mundosustentavel.com.br/2012/05/lancada-a-anti-lista-forbes/


http://ponto.outraspalavras.net/2012/05/01/uma-lista-dos-nos-enriquecem/


Ao invés de eleger os “cem mais ricos do mundo”, grupo internacional sugere apontar quem contribui para futuro sustentável do planeta. Há três brasileiros na lista: Paulo Freire em 39º lugar, Chico Whitaker, fundador do Fórum Social Mundial, em 62º, e Chico Mendes em 97º lugar.


Por Flávia Pardini, no Página 22


Fonte: Outras Mídias



Ao invés de eleger os “cem mais ricos do mundo”, grupo internacional sugere apontar quem contribui para futuro sustentável do planeta — e apresenta uma primeira contribuição


 


Em vez de uma lista das pessoas mais ricas do mundo, como a publicada anualmente pela revista Forbes, uma lista das pessoas que mais enriquecem o mundo. Foi o que oPost-Growth Institute – um grupo internacional que explora caminhos para a prosperidade global que não dependem do crescimento econômico – decidiu elaborar, elencando indivíduos que contribuem para um futuro mais sustentável. O resultado foi publicado em março e os 100 nomes lista podem ser vistos aqui.


“Para nós, há formas adicionais de a ‘riqueza’, se manifestar, ser mensurada e celebrada”, escreveu o grupo em seu website. “As pessoas nessa lista representam riqueza que não pode ser definida em dólares”. O Post Growth Institute espera que a lista crie conversas e, com elas, alimente iniciativas existentes e novos esforços para construir realidades centradas na equidade social e na sustentabilidade ecológica.


 


O primeiro colocado na (En)Rich List é o economista alemão E. F. Schumacher, conhecido pela crítica às economias ocidentais, pelas propostas para uma economia mais humana e descentralizada e, principalmente, pelo livro Small is Beautiful: a study of economics as if people mattered, publicado em 1973. Schumacher é uma de várias figuras históricas incluídas na lista por terem ajudado a iniciar o debate sobre a sustentabilidade e os limites ao crescimento.


Em segundo lugar na lista aparece Herman Daly, um dos mais influentes economistas ecológicos e defensor da ideia de economias em estado estacionário (steady-state) desde os anos 70. Outros economistas incluído na lista são Peter VictorTim Jackson,Amartya SenNicholas Georgescu-RoegenRobert CostanzaManfred Max-Neef. (Quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho de alguns deles, terá a oportunidade em uma conferência da Sociedade Internacional de Economistas Ecológicos que acontece no Rio de 12 a 19 de junho para discutir contribuições para a Rio+20.)


Há três brasileiros na lista: Paulo Freire em 39o lugar, Chico Whitaker, fundador do Fórum Social Mundial, em 62o, e Chico Mendes em 97o lugar.


O processo de elaborar a lista partiu de 300 nomes, levou 7 meses para chegar aos 100 escolhidos e envolveu a comunidade que apóia o Post Growth Institute em votações e apurações. O grupo reconhece que o resultado final revela as desequilíbrios geográficos e de gênero. “Apesar do aumento dramático da conectividade global, a diversidade de influências dos membros do Posto Growth Institute é compreensivelmente pequena. Esperamos que, com o tempo, ela evolua”.


Dos 100 nomes da lista, 32 são mulheres, contra 11 mulheres incluídas na lista da Forbes dos 100 mais ricos do mundo. Uma das razões é a inclusão de figuras históricas. Os homens, justifica o grupo, historicamente tiveram “óbvias vantagens em receber educação formal, publicar suas ideias e ser levados a sério como intelectuais”.


Da mesma forma, a maioria dos incluídos na lista são pessoas brancas, oriundas de países ocidentais. “Isso pode ser atribuído em grande parte ao fato de que pessoas que falam inglês, e que têm herança ocidental, recebem mais atenção por suas ideias e ações em escala global”.


O Instituto espera elaborar a lista anualmente e, no futuro, abrir as indicações e a votação ao público. O que não impede que pipoquem por aí listas das pessoas que contribuem para futuros mais sustentáveis localmente.


Se você tivesse que indicar nomes no Brasil, por exemplo, quais seriam?